Review: The Medium

0

The Medium acontece em dois mundos. O jogo costuma alternar entre o mundo real e o espiritual, mas também é uma experiência cinematográfica fascinante. A protagonista Marianne explora ambos os mundos. O jogo alterna entre uma experiência de terror narrativo cinematográfico e momentos de “ação”.

Iremos descobrir a história de Marianne, uma mulher profundamente conectada com o mundo espiritual desde sua infância.

Depois de receber um telefonema misterioso de alguém alegando saber o que ela pode fazer, ela viaja para o Niwa Resort, um lugar abandonado com uma história sombria com a qual ela pode encontrar algumas conexões mais profundas.

Em Niwa, Marianne encontra o espírito de uma criança chamada Tristeza enquanto tenta desvendar o mistério de quem a chamou, por que e qual papel ela desempenha nesta grande história.

No início, The Medium lembra jogos como Heavy Rain ou Until Dawn. Ângulos de câmera cinematográficos, ações deliberadas enquanto você pesquisa o ambiente em busca de detalhes da história e maneiras de seguir em frente.

E uma vez que o jogo introduz as mudanças no mundo espiritual, me veio imediatamente Silent Hill. A história é contada por meio de narração, bem como os comentários que Marianne faz sobre os acontecimentos.

O diferencial de The Medium é não só a possibilidade de alternar entre os mundos, mas permitir que Marianne exista em ambos simultaneamente.

Isso permite algumas mecânicas interessantes, como observar espíritos interagindo com objetos no mundo espiritual e como isso os afeta no mundo real, quando estamos nesse modo é preciso redobrar a atenção, para verificar em ambos os cenários, até porque alguns quebra-cabeças se tornam bem interessantes e envolventes por conta das possibilidades em dois cenários simultâneos.

Há momentos em que há turnos dedicados, você estará em um ou no outro mundo, mas especialmente impressionantes são aqueles momentos em que você é puxado para os dois ao mesmo tempo.

0De modo geral, The Medium ultrapassa essas mudanças muito bem. Nunca senti que dependia excessivamente do mundo real, do mundo espiritual ou mesmo dos momentos do mundo dividido, e a variedade de ambientes está sempre mudando para que a exploração nunca pare.

Elementos de terror em The Medium são geralmente relegados a uma tensão enervante. Há alguns pequenos sustos aqui e ali, mas na maioria das vezes, o jogo só quer assustá-lo com a sensação de que o mundo espiritual está bem ali, esperando, do outro lado.

Em The Medium existe uma criatura misteriosa chamada The Maw, algo parecido com Mister X / Tyrant, Nemesis ou Pyramid Head. Uma ameaça persistente que irá surgir em momentos inoportunos e perseguir o jogador, você não tem muitos recursos para combater The Maw.

Marianne tem a capacidade de absorver energia no mundo espiritual, que ela pode usar para alguns poderes, como gerar um escudo ao seu redor ou enviar uma rajada.

Se ela tiver energia, ela pode sobreviver sendo agarrada por The Maw uma vez, mas muitas vezes você precisa dessa energia em outro lugar para um quebra-cabeça. E isso apenas no mundo espiritual. The Maw também pode viajar para o mundo real, sem mencionar que é invisível naquele espaço, e Marianne é impotente lá.

Isso significa que há muita tentativa e erro para escapar de The Maw, com várias mortes frustrantes, loadings demorados e tentar a sequência novamente. Esses encontros forçados com uma mecânica furtiva pobre parecem completamente em desacordo com o resto do jogo centrado na narrativa, tornando o jogador dolorosamente consciente de que está jogando um jogo.

E esqueça a tensão. Mesmo uma falha contra o poder irritantemente frustrante de The Maw é o suficiente para pegar a tensão do terror cinematográfico e substituí-la pela necessidade incômoda de superar um segmento de jogo geralmente implacável.

Além desses momentos, a jornada por The Medium foi geralmente intrigante, embora bastante linear no geral. Alguns caminhos laterais contêm itens ou itens colecionáveis ​​adicionais que emprestam alguma história de fundo adicional, mas na maior parte, os jogadores devem ser capazes de ir direto por esta aventura de terror com poucos desvios, o que geralmente mantém o ritmo agradável.

The Medium é uma experiência de terror admirável de um desenvolvedor que tem feito grandes avanços no mundo do desenvolvimento de jogos de terror. Não é algo que vai mudar o mundo dos jogos de terror, mas faz coisas únicas o suficiente com a mecânica de dois mundos simultâneos para se destacar.

Como muitos jogos de terror anteriores, ele falha em equilibrar sua tensão com certas mecânicas de jogo que podem passar do medo à frustração muito rapidamente, mas são espaçadas o suficiente para nunca arruinar a experiência.

Para todos os fãs de terror que procuram um jogo do estilo Silent Hill para preencher esse vazio, The medium ao menos irá lhe trazer para um ambiente nostálgico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.